sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Pantanal pode registrar supercheia em 2015


                                                                       Foto: José Luiz
O tempo está fechando todos os dias na região do Alto Pantanal

André Navarro - O Pantanal pode registrar uma supercheia em 2015 se a temporada de chuvas vier realmente com força. A bacia pantaneira ainda tem muita água remanescente da cheia deste ano e, o represamento em Porto Murtinho é evidente. Com isso, se começar a chover forte na cabeceira do Alto Pantanal, no ano que vem o nível do rio Paraguai na régua do Serviço de Sinalização Náutica do Oeste, órgão da Marinha no 6º Distrito Naval de Ladário, tende a ultrapassar os seis metros.

Em conversa informal com o pesquisador Carlos Padovani, da Embrapa Pantanal, ele afirmou que existe essa possibilidade e deve falar a respeito ainda este mês. Porém, tudo vai depender dos níveis de chuva nas regiões mais altas, que é o que determina a cheia da bacia. A água que vem do Corixo Grande, que fica na Bolívia, de Cáceres, no Mato Grosso e Bela Vista do Norte, no Mato Grosso do Sul, é canalizada para encher o Pantanal.

Nesta sexta feira, 24/10, o nível do rio Paraguai, em Ladário foi de 3,52 m. Este ano, o nível máximo do rio foi de 5,42 m no dia 12 de junho. Nos últimos cinco anos a maior cheia registrada foi em 2011, quando o nível do rio foi a 5,62 m. Para se ter uma ideia, naquele ano, em 24/10, o rio estava em 1,66 m, ou seja, vazou bem mais do que este ano. Sendo assim, se a chuva pegar a planície parcialmente alagada, como está, a possibilidade de uma supercheia, que é verificada quando a marcação ultrapassa os 6 m em Ladário, é real.



Pacu de 6 kg no rio Paraguai

Pacu de 6 kg pego no rio Paraguai vai ser uma das estrelas do Vivendo a Vida

André Navarro - Durante cinco dias estivemos à bordo de um dos melhores navios de turismo de Corumbá e de toda a região do Pantanal. O Kayamã Vip tem espaço para 30 passageiros em camarotes espaçosos com 3 camas cada um. Conforto, segurança e uma equipe especializada atende aos pescadores que vêm de várias partes do país e do mundo. Integramos a equipe que tinha grupos do Rio Grande do Sul, Goiás, Três Lagoas/MS e Paraná. Além das belas imagens que trouxemos, os momentos ímpares ficarão gravados para sempre na memória. Agradeço ao meu bom Deus por me proporcionar momentos assim. Ressalto a importância do cinegrafista José Luiz e do guia de pesca Valdecir (ET) com quem pesquei durante esses dias e que muito me ajudaram no fechamento do programa Vivendo a Vida. Um imenso abraço à minha amiga Joice, proprietária do Kayamã Vip e da Joice Tur. Joice que confiou no programa desde o início e que sempre foi nossa parceira, isso porque tem visão empresarial e aposta no desenvolvimento do turismo de pesca. Enfim, a todos aqueles que estiveram conosco, mais uma vez obrigado pela parceria, comprometimento e profissionalismo.

Voltando do Pantanal


Retornando de mais uma pescaria, 5 dias a bordo do Kaymã Vip. Obrigado a amiga Joice da Joice Tur, pela parceria e confiança, assim como os meus sinceros agradecimentos a toda equipe que nos tratou com muito profissionalismo e dedicação. Obrigado meu Deus pela oportunidade que me tem dado de estar sempre próximo à esta natureza pantaneira.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Torneio de Pesca no Lago de Samuel tem premiações acima de R$ 50 mil

 O lago da Usina Hidrelétrica Samuel, localizado no município de Candeias do Jamari, será cenário para a disputa da 10º Edição do Torneio de Pesca Amadora (Topas), nas modalidades piranha (maior peso) e tucunaré (maior medida). A competição vai acontecer no próximo final de semana, dias 18 e 19 de outubro.
Este ano, a premiação será acima de R$ 50 mil, o maior valor em prêmios desde o primeiro evento em 2004. Mais de 100 equipes participarão da competição que reunirá pescadores de Rondônia, Acre e Mato Grosso. 
Torneio de Pesca no Lago de Samuel (Foto: Eletrobrás Eletronorte/Divulgação)Torneio de Pesca no Lago de Samuel será realizado neste final de semana (Foto: Eletrobrás Eletronorte/Divulgação)

Turismo e solidariedade       
O evento tem a intenção de incentivar o turismo local, com divulgação da beleza do lago (que tem 140 km² extensão), além de estimular a educação ambiental e promover o lazer para famílias que apreciam o esporte. O torneio incentiva ainda a ação solidária entre os integrantes, já que todo o pescado e alimentos não perecíveis entregues pelos integrantes das equipes no ato da inscrição serão destinados às instituições filantrópicas cadastradas pela Associação dos Pescadores Amadores de Rondônia (Sopescar), responsável pela ação. 
- Já está tudo pronto para a décima edição do Topas. Nós já estamos trabalhando há alguns meses para receber as equipes participantes e visitantes para este final de semana e, no sábado, os portões da usina estarão liberados a partir da 14h para quem quiser acampar e participar do luau. O Topas é um dos projetos de turismo mais respeitados do estado - frisou o colaborador Luís Antônio Duarte, da área de meio ambiente da UHE Samuel. 
Torneio de Pesca no Lago de Samuel  (Foto: Eletrobrás Eletronorte/Divulgação)
Vários pescadores participam do torneio de pesca no lago da usina (Foto: Eletrobrás Eletronorte/Divulgação)

Prêmios 
Modalidade Piranha
1º lugar: 01 barco de 5,5 metros, carreta e motor 25Hp;
2º lugar: 01 motor de popa 15Hp;
3º lugar: 01 barco de alumínio de 5 metros;
4º lugar: 01 caiaque para pesca;
5º lugar: 01 motor gerador de energia;
6º lugar: 04 barracas para camping;
7º lugar: 04 tendas para camping;
8º lugar: 04 kits vara e molinete;
9º lugar: 04 coletes salva-vidas;
10º lugar: 04 caixas para pesca.
Modalidade Tucunaré 
1º lugar: R$ 1.500,00;
2º lugar: R$ 1.000,00.   
Programação 
Dia 18 de outubro de 2014, sábado</b>
14h - Abertura dos portões;
20h - Reunião dos coordenadores do evento;
22h - Início do luau seguido de forró.   
Dia 19 de outubro de 2014, domingo</b>
7h30 - Inspeção das embarcações;
8h - Palestra educativa e esclarecimentos;
8h30 - Largada das embarcações;
13h - Encerramento;
15h30 - Entrega de prêmios.

Pesquisadora da UEMS transforma garrafas PET em blocos de concreto para a construção civil


Notícias MS - Milhares de garrafas PET vão para o lixo todos os dias, então porque não reutilizá-las na produção de blocos de concretos para a construção civil? Esta foi a ideia, que deu certo, de uma pesquisadora da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).
A acadêmica de Engenharia Ambiental da UEMS, Camila de Carvalho Sousa, desenvolveu esta ideia na pesquisa intitulada “Caracterização física e mecânica de blocos vazados de concreto simples confeccionados com a adição parcial de resíduos plásticos pós-consumo: Classificação”, orientada pelos professores Aguinaldo Lenine Alves e Antônio Aparecido Zanfolim.
A motivação do trabalho veio porque no Brasil estima-se a geração de 0,5 a 1,0 kg/hab/dia de lixo e a indústria de embalagens está amplamente associada à crescente geração destes resíduos. Além de que, no País, a maioria dos fabricantes de refrigerantes utiliza embalagens descartáveis, sendo, 80,2% embalagens PET, indicando um consumo anual de aproximadamente 250 bilhões de unidades; deste total, cerca de 4,7 bilhões de unidades são lançadas indiscriminadamente no meio ambiente.
Para a produção dos blocos de concreto 15% da quantidade de areia foi substituída por garrafas pets usadas, que depois de moídas se tornaram pó. As garrafas utilizadas para o trabalho foram obtidas de pontos de coletas, antes de serem encaminhadas ao aterro sanitário de Dourados.
Como resultado os blocos de concretos ficaram mais resistentes à compressão e os resíduos plásticos proporcionaram o preenchimento dos poros existentes. Com isso o produto final teve uma melhor compactação, ficou menos permeável, mais resistente a impactos devido ao aumento significativo da resistência à compressão, classificando-o como Classe C, com função estrutural, para uso em elementos de alvenaria acima do nível do solo.
Segundo a acadêmica, no decorrer deste estudo, constatou-se que, para se produzir 15 blocos de concreto com a adição de resíduos plásticos moídos em substituição a 15%  de  areia necessita-se de aproximadamente 80 garrafas plásticas de dois litros. Com isto, conclui-se que na execução do projeto de uma casa popular, de 42m², serão necessárias 8.187 unidades de garrafas PET.
“Isto representa um grande benefício econômico e ecológico, já que, neste caso, proporcionariam o aumento da vida útil de aterros sanitários, a diminuição da poluição de terrenos e locais públicos e, principalmente, a retirada de área dos leitos dos rios seria atenuada. Por ser simples e de fácil padronização, a reutilização das garrafas PET não agrega alto valor às indústrias do setor. Assim sendo, uma opção inovadora, uma alternativa ecologicamente correta, capaz de suprir as necessidades do setor da construção civil em conjunto com o desenvolvimento sustentável”, ressaltou.
A pesquisadora termina enfatizando que é necessária a introdução de políticas públicas, incentivos privados e parcerias com as indústrias de bebidas e produtoras de plásticos, visando ao gerenciamento das garrafas PET descartadas, facilitando, assim, o reuso delas.

Empresários pedem mudanças na lei de pesca

medidas mínimas devem ser mantidas
André Navarro - Empresários de turismo querem que a lei que rege a pesca no Pantanal seja modificada. Eles afirmam que é uma necessidade para a proteção dos cardumes pesqueiros da região e que, turistas que visitam a cidade, também são favoráveis. A primeira e mais forte modificação é, a partir de 2015, a diminuição da cota, hoje de 10 k de pescado, mais um exemplar e ainda 5 piranhas. No entender do empresariado essa cota deve passar a ser de apenas um exemplar por pescador, como troféu.

"Qualquer cota para Corumbá, seja de 10 quilos, seja de um peixe, seja de nenhum peixe, não vai atrapalhar o fluxo de turistas", garante Alexandre Marinho, dono do Barco Hotel Veneza. Para ele, "quem ama pescar, ama Corumbá e vai sempre voltar, até porque aqui existe a maior estrutura de turismo de pesca da América do Sul".

Muitos pescadores amadores têm vindo para a região praticar a pesca esportiva na modalidade pesque e solte. Números da Fundação de Turismo mostram que Corumbá recebe cerca de 25 mil pescadores por ano. Eles são responsáveis por movimentação que supera os R$ 100 milhões, fazendo do setor uma das principais molas da economia do município.

"Eu vim aqui pescar e trouxe meu filho, os meus amigos trouxeram os seus filhos, estamos ensinando esses meninos não a pescar, mas a ter a consciência da preservação", disse Flávio Porto de Lima, representante comercial que veio com um grupo de Brasília pescar em Corumbá. Eles comeram peixe no barco, mas não levaram um exemplar sequer para casa.

"Os próprios turistas vêm nos propondo essa diminuição da cota há muito tempo. Eles são os nossos clientes e, por isso, temos que ouvi-los", disse Joice Santana, proprietária de uma agência de turismo que trabalha com mais de dez barcos hotéis. Para ela, a medida deve proteger os estoques e garantir peixes para a posteridade, solidificando ainda mais a atividade de turismo pesqueiro.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Barbaridade: Pedófilo planejava abusar da filha que nem nasceu ainda


Terra Notícias: Durante a investigação da Operação Darknet contra divulgação de pornografia infantil, deflagrada pela Polícia Federal em 18 Estados, na quarta-feira, um dos suspeitos presos planejava abusar da filha que ainda estava por nascer, segundo relataram os responsáveis pela investigação. Um ponto que chocou os investigadores foi a crueldade praticada pelo grupo. Só hoje, 51 pessoas foram presas.
“Ele disse que iria abusar da própria filha, e no momento da prisão, ele reconheceu isso em frente da esposa e de toda a equipe, foi uma coisa muito chocante. O nível de crueldade do que aparecia nesses vídeos e nessas fotografias chocam qualquer cidadão, até policial que está acostumado com isso pode passar mal”, afirmou o superintendente da Polícia Federal do Rio Grande do Sul Sandro Carion.
A prisão deste indivíduo que relatava o abuso contra a filha ainda não nascida foi realizada antes da operação deflagrada hoje, por conta dos risco potencial de abuso. “Optamos por antecipar as prisões porque tínhamos informações de que tinham acesso a crianças e que iam consumar os atos”, relata o delegado.
Ao todo, seis crianças que sofriam ou que poderiam sofrer abusos foram resgatadas pela polícia. ˜Se o resultado da investigação tivesse sido apenas o resgate dessas crianças, já teria valido a pena”, diz Carion.

Entre os presos, estão servidores públicos, como um homem que trabalhava em uma Secretaria de Segurança, e um seminarista. "Pessoas de todas as classes sociais”, mas que tinham em comum um grande conhecimento de informática, completa a delegada Diana Kalazans
Pela primeira vez no País foi deflagrada uma operação da Polícia Federal contra crimes relacionados com pedofilia realizada na Deep Web, uma espécie de submundo da internet. Operações semelhantes só tinham sido realizadas pelo FBI e pela polícia inglesa.
“A Polícia Federal foi evoluindo mais profundamente no mar que é a internet, porque além da internet que usamos no dia a dia, que são as páginas indexadas, que ficam em um cadastro, por meio do qual se faz a pesquisa, existe um mundo muito maior, que são as redes internas de empresas, de bancos, de governo, que trafegam, mas que não é acessível para o usuário. Para acessar tem que se utilizar determinadas ferramentas ou saber o caminho para acessar o conteúdo”, explica a delegada Diana, dizendo que neste ambiente são utilizados softwares que impedem a identificação, proteção que foi burlada pela Polícia Federal.
“Existem várias formas de navegar de forma anônima, mas a PF desenvolveu ferramentas que permitem rastrear a localização”. 

Jovem de 26 anos confessa ter matado 39 pessoas

Vítimas do suspeito de ser o serial killer, em Goiânia, Goiás (Foto: Arquivo Pessoal)
Bruna, Janaína, Lílian e Ana Lídia estão entre as vítimas do suposto serial killer (Foto: Arquivo Pessoal)

Luisa Gomes ( Do G1 de Goiás) - O vigilante Thiago Henrique Gomes da Rocha, de 26 anos, confessou à polícia, em depoimento nesta quarta-feira (15), que matou 39 pessoas em Goiânia. Desses homicídios, pelo menos oito seriam de moradores de rua e alguns de mulheres, cujas mortes já estavam sendo investigadas há dois meses pela força-tarefa da Polícia Civil.
Criada no dia 4 de agosto, a equipe de delegados investiga 16 mortes, sendo 15 mulheres e 1  homem. Segundo a assessoria da Secretaria de Segurança Pública informou ao G1, o vigilante confessou ter cometido todos esses homicídios. Já o titular da Delegacia de Homicídios, Murilo Polati, disse, nesta noite, que das mortes que o suspeito admitiu, apenas 13 fazem parte da investigação da força-tarefa.
Pela manhã, o secretário de Segurança Pública, Joaquim Mesquita, anunciou que o vigilante confessou ter matado oito mulheres dos casos investigados pela força-tarefa. Em entrevista no fim desta tarde, o delegado-geral da Polícia Civil em Goiás, João Carlos Gorski, afirmou que Thiago confessou a morte de 16 mulheres, mas não explicou quem é a 16ª vítima.
O primeiro crime da série de assassinatos contra mulheres em Goiânia ocorreu em 18 de janeiro deste ano, quando Bárbara Luiza Ribeiro Costa, de 14 anos, foi executada no Setor Lorena Park.A morte mais recente foi a de Ana Lídia Gomes, baleada em um ponto de ônibus no Setor Conjunto Morada Nova, no dia 2 de agosto. Um motociclista passou pelo local e disparou contra a garota, que não resistiu aos ferimentos.
Entre as outras 13 mortes investigadas pela força-tarefa estão a da dona de casa Lílian Sissi Mesquita e Silva, de 28 anos, em 3 de fevereiro, de Janaína Nicácio de Souza, de 25 anos, e deBruna Gleycielle de Sousa Gonçalves, 26 anos, ambas mortas em 8 de maio. Todas as vítimas de série de assassinatos eram jovens, mas não tinham perfil parecido.
Assassinatos em série
Ao contrário do que foi divulgado pela polícia no início das investigações, o delegado-geral da Polícia Civil, João Gorksi, afirmou, nesta manhã, que se trata de um caso de assassino em série. "Eu acredito que é um serial killer. No começo, ele matava aleatoriamente. No fim, ele estabeleceu um padrão", afirmou. De acordo com a polícia, dentre os demais crimes cometidos pelo homem, estão mortes de moradores de rua e homossexuais. Os outros homicídios de mulheres não assumidos pelo vigilante continuarão sendo investigados.
A polícia afirma que há cerca de um mês as investigações já apontavam para o suspeito como autor dos crimes, mas ele só foi preso na terça-feira (14), na Avenida Castelo Branco, na capital. Com o suspeito foi apreendida uma motocicleta. Na residência dele também foi apreendido um revólver calibre 38. A polícia não informa a quantidade de material apreendido nem suas características. O homem está detido na Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios.
O advogado do suspeito, Thiago Huascar, disse que não tinha como se pronunciar sobre o caso, pois só teve acesso à procuração nesta manhã. “Vou aguardar os andamentos e ver o que está sendo a acusação contra ele”, informou o advogado.
Thiago Henrique Gomes da Rocha é apontado como serial killer em Goiânia Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Thiago Henrique é apontado como serial killer
(Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
No ano passado, o Ministério Público Estadual ofereceu denúncia contra o suspeito por furtar uma placa de uma motocicleta no estacionamento de um supermercado de Goiânia. Imagens de câmeras de segurança mostram ele cometendo o crime (veja vídeo acima). Também no ano passado, ele foi preso em flagrante em uma motocicleta com placa roubada, mas foi solto.  O caso foi registrado no 5º Distrito Policial.
Segundo a Polícia Civil, o jovem foi identificado em imagens registradas por câmeras de segurança no último domingo (15), próximo à lanchonete em que uma mulher foi agredida por um motociclista. O caso foi incluído na força-tarefa. Segundo testemunhas, o motociclista de capacete vermelho atirou na jovem, mas a arma falhou. Então, ele deu um chute na boca dela.

Chikungunya está nas divisas e pode chegar ao MS

Campo Grande News - Assustadora por debilitar a vítima por até três anos, a Febre Chikungunya chegou a quatro estados com divisa com Mato Grosso do Sul, onde soma 21 casos, conforme balanço divulgado na quarta-feira (15), pelo Ministério daSaúde. No país, já são 337 registros, 258 a mais que o último levantamento, realizado em 27 de setembro.
Entre os vizinhos de Mato Grosso do Sul, São Paulo libera o ranking, com 17 casos de importados de pessoas que viajaram para países com transmissão da doença, como República Dominicana, Haiti, Venezuela, Ilhas do Caribe e Guiana Francesa. No Paraná, são duas notificações e uma, em Goiás.
Dos quatro estados vizinhos, só em Minas Gerais a febre atingiu uma pessoa sem registro de viagem internacional para países onde ocorre a transmissão. Em Mato Grosso do Sul, segundo a Sesau (Secretaria Municipal deSaúde), dois casos suspeitos foram descartados, após exame laboratorial.
No País, são 38 casos importados e outros 299 foram diagnosticados em pessoas sem registro de viagem internacional. Desses casos, chamados de autóctones, 17 foram registrados no município de Oiapoque (AP), 274 no município de Feira de Santana (BA), sete em Riachão do Jacuípe (BA) e 1 em Matozinhos (MG).
Diretora em vigilância em saúde da Sesau, Márcia Dal Fabro disse que a febre gera dores musculares intensas e pode durar de dois meses a três anos. Para ela, “é questão de tempo” para a febre Chikungunya chegar a Campo Grande, justamente por rodear estados vizinhos. “Então, temos que eliminar o vetor”, apelou.
A preocupação é ainda maior porque Campo Grande tem muitos transmissões da doença, os chamados mosquitos do gênero Aedes, o mesmo que espalha a dengue. “O trabalho de conscientização é fundamental, porque é nas casas que o mosquito se prolifera”, frisou Márcia.

Preso acusado de estuprar menina de 11 anos

                                                                     Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Camila Fernandes (do Diário Corumbaense) - A Polícia Civil de Ladário abriu inquérito para investigar um rapaz, de 19 anos, acusado de estupro de vulnerável e subtração de incapaz. O caso envolve uma menina de 11 anos. A denúncia foi feita pelo pai da vítima, que ao voltar da igreja, na terça-feira (14) não encontrou a criança em casa. Vizinhos viram a menina pulando uma janela e subindo na garupa de uma moto.

O delegado titular da Polícia Civil de Ladário, Fernando Araújo da Cruz Júnior explicou ao Diário Corumbaense como ocorreu o caso. “O pai da criança veio fazer o registro e informou que o rapaz havia pedido a menina em namoro, mas como o pai recusou, ele passou a se encontrar com a menor às escondidas e a convenceu a fugir com ele.” Após a denúncia, os investigadores localizaram a menina por volta da meia-noite de terça em um sítio, localizado na região do Jacadigo, distante cerca de 30 quilômetros da área urbana de Corumbá.
“Nós conseguimos identificar o local onde a menina estava e encaminhamos o acusado e a família dele, que abrigou a criança no sítio, ao 1º Distrito Policial de Corumbá. A menor fez exame de corpo de delito e ficou constatado que houve relação sexual, além de outros atos libidinosos. A criança está com suspeita de gravidez devido ao atraso menstrual”, completou o delegado.
Estupro de vulnerável
O crime estupro de vulnerável prevê pena de 8 a 15 anos de prisão em caso de condenação. O delegado Fernando Araújo esclareceu que “ainda que seja de forma consensual, o crime é caracterizado por envolver menor de idade”. O acusado está preso e a Polícia Civil deve concluir o inquérito em dez dias.