sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Ônibus novo quebra em trajeto e passageiros têm que descer

Menos de 30 dias em operação e empresa já enfrenta problemas



                                                           Fotos: André Navarro
Passageiros precisaram descer do veículo e aguardar

André Navarro - Um ônibus da empresa Cidade de Corumbá que não tem 30 dias operando na cidade quebrou hoje por volta da uma hora da tarde na rua Corumbá, no bairro Dom Bosco, próximo à Prefeitura Municipal. Os passageiros foram obrigados a descer do veículos e aguardar. Segundo o motorista houve um super aquecimento do motor, o que o obrigou a desligar o veículo e reabastecer o radiador.
Esta não teria sido a primeira quebra dos carros da Viação Cidade de Corumbá. Há relatos de passageiros de que outros dois teriam apresentado defeito no terminal da rua Antônio Maria, no centro da cidade, mas a informação não foi confirmada.
A nova empresa venceu a licitação e passou a operar no lugar da Viação Canarinho, que dominou o mercado por 30 anos. Havia muitas quebras, atraso e riscos aos passageiros, por isso o prefeito Paulo Duarte (PT), decretou intervenção na Canarinho e abriu nova licitação.
Super aquecimento do motor teria sido causa da quebra


Rios voltam a subir na região pantaneira

                                                                        Foto: José Luiz

André Navarro - Produtores rurais do Pantanal estão preocupados com a situação dos rios na região mais inundável do planeta. É que a bacia nem terminou de vazar ainda e as chuvas dos últimos dias já causaram a elevação dos níveis em algumas réguas de medição da Marinha. 
Um bom exemplo é a régua de Ladário que fica no complexo do sexto distrito naval. Nesta época do ano, o normal seria que ela estivesse por volta de um metro, mas a altura hoje é de 2 metros e 58 centímetros, 5 centímetros a mais do que ontem. 
O presidente do Sindicato Rural de Corumbá, Luciano Leite, disse que, se realmente o rio Paraguai voltar a subir antes da vazante, os pecuaristas terão prejuízos. É que as pastagens nativas não poderão ser utilizadas. 
Um ponto de medição que serve como parâmetro para a cheia da bacia é Bela Vista do Norte na divisa com o Mato Grosso. Lá o rio Paraguai subiu de ontem para hoje 2 centímetros, ficando em 3 metros e 52 centímetros. 
Ainda não se pode considerar que o Pantanal deu início ao período de cheia, mas são as chuvas que ocorrem na região no final do ano que normalmente determinam o alagamento da planície. 
Pantaneiro é acostumado com este ciclo, quando enche o gado é levado para regiões mais altas e, quando seca, o que não aconteceu ainda este ano por completo, os rebanhos são trazidos de volta para as pastagens nativas que rebrotam com muito mais nutrientes.

Chamada do Programa Vivendo a Vida

Assista à chamada do Vivendo a Vida do próximo domingo. Fizemos um passeio contemplativo, um verdadeiro cruzeiro pelo Pantanal. Vai ser lindo demais. 


quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Caminhonete bate em três carros no centro da cidade

Com a força do impacto veículos foram arremessados para a calçada




André Navarro - O acidente foi foi por volta das nove e meia da manhã na rua 13 de junho entre as ruas 15 de novembro e Frei Mariano. A Mitsubishi Pajero, placas NLA 5180, de Campo Grande, rodou no paralelepípedo molhado e atingiu um Pálio, um Voyage e um Siena. Os três carros estavam estacionados e acabaram sobre a calçada do lado esquerdo da via. "Arranquei do sinaleiro, vi quando um carro ia saindo de ré da garagem, tentei desviar e vi que vinha outro carro. Quando voltei, o carro escorregou no paralelepípedo e rodou. Estava no finalzinho da chuva e estava tudo molhado", disse a bancária Evelize Maria Martins, motorista da Pajero. Não havia ninguém dentro dos carros que  estava estacionados e nem na calçada, com isso, não houve feridos no acidente. 
Evelize acionou o seguro que dever arcar com as despesas de conserto de todos os carros atingidos. O que mais demorou foi a chegada da perícia judicial para liberar os veículos. Os proprietários devem ficar alguns dias à pé. "No mínimo uns três dias, mas graças a Deus, ninguém se machucou, foram apenas danos materiais", disse a arquiteta Aparecida Romão, proprietária do Voyage.


sábado, 15 de novembro de 2014

Entrega do prêmio "Outubro Rosa" para Deyse Braga

Fizemos esta semana a entrega do prêmio da promoção "Outubro Rosa" para a amiga e pescadora Deyse Braga. Esta foi uma promoção do Programa Vivendo a Vida em conjunto com a Cia Náutica. Clique para assistir ao vídeo abaixo e saiba como vai ser a promoção "Novembro Azul" que já está valendo. 


sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Pantanal pode registrar supercheia em 2015


                                                                       Foto: José Luiz
O tempo está fechando todos os dias na região do Alto Pantanal

André Navarro - O Pantanal pode registrar uma supercheia em 2015 se a temporada de chuvas vier realmente com força. A bacia pantaneira ainda tem muita água remanescente da cheia deste ano e, o represamento em Porto Murtinho é evidente. Com isso, se começar a chover forte na cabeceira do Alto Pantanal, no ano que vem o nível do rio Paraguai na régua do Serviço de Sinalização Náutica do Oeste, órgão da Marinha no 6º Distrito Naval de Ladário, tende a ultrapassar os seis metros.

Em conversa informal com o pesquisador Carlos Padovani, da Embrapa Pantanal, ele afirmou que existe essa possibilidade e deve falar a respeito ainda este mês. Porém, tudo vai depender dos níveis de chuva nas regiões mais altas, que é o que determina a cheia da bacia. A água que vem do Corixo Grande, que fica na Bolívia, de Cáceres, no Mato Grosso e Bela Vista do Norte, no Mato Grosso do Sul, é canalizada para encher o Pantanal.

Nesta sexta feira, 24/10, o nível do rio Paraguai, em Ladário foi de 3,52 m. Este ano, o nível máximo do rio foi de 5,42 m no dia 12 de junho. Nos últimos cinco anos a maior cheia registrada foi em 2011, quando o nível do rio foi a 5,62 m. Para se ter uma ideia, naquele ano, em 24/10, o rio estava em 1,66 m, ou seja, vazou bem mais do que este ano. Sendo assim, se a chuva pegar a planície parcialmente alagada, como está, a possibilidade de uma supercheia, que é verificada quando a marcação ultrapassa os 6 m em Ladário, é real.



Pacu de 6 kg no rio Paraguai

Pacu de 6 kg pego no rio Paraguai vai ser uma das estrelas do Vivendo a Vida

André Navarro - Durante cinco dias estivemos à bordo de um dos melhores navios de turismo de Corumbá e de toda a região do Pantanal. O Kayamã Vip tem espaço para 30 passageiros em camarotes espaçosos com 3 camas cada um. Conforto, segurança e uma equipe especializada atende aos pescadores que vêm de várias partes do país e do mundo. Integramos a equipe que tinha grupos do Rio Grande do Sul, Goiás, Três Lagoas/MS e Paraná. Além das belas imagens que trouxemos, os momentos ímpares ficarão gravados para sempre na memória. Agradeço ao meu bom Deus por me proporcionar momentos assim. Ressalto a importância do cinegrafista José Luiz e do guia de pesca Valdecir (ET) com quem pesquei durante esses dias e que muito me ajudaram no fechamento do programa Vivendo a Vida. Um imenso abraço à minha amiga Joice, proprietária do Kayamã Vip e da Joice Tur. Joice que confiou no programa desde o início e que sempre foi nossa parceira, isso porque tem visão empresarial e aposta no desenvolvimento do turismo de pesca. Enfim, a todos aqueles que estiveram conosco, mais uma vez obrigado pela parceria, comprometimento e profissionalismo.

Voltando do Pantanal


Retornando de mais uma pescaria, 5 dias a bordo do Kaymã Vip. Obrigado a amiga Joice da Joice Tur, pela parceria e confiança, assim como os meus sinceros agradecimentos a toda equipe que nos tratou com muito profissionalismo e dedicação. Obrigado meu Deus pela oportunidade que me tem dado de estar sempre próximo à esta natureza pantaneira.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Torneio de Pesca no Lago de Samuel tem premiações acima de R$ 50 mil

 O lago da Usina Hidrelétrica Samuel, localizado no município de Candeias do Jamari, será cenário para a disputa da 10º Edição do Torneio de Pesca Amadora (Topas), nas modalidades piranha (maior peso) e tucunaré (maior medida). A competição vai acontecer no próximo final de semana, dias 18 e 19 de outubro.
Este ano, a premiação será acima de R$ 50 mil, o maior valor em prêmios desde o primeiro evento em 2004. Mais de 100 equipes participarão da competição que reunirá pescadores de Rondônia, Acre e Mato Grosso. 
Torneio de Pesca no Lago de Samuel (Foto: Eletrobrás Eletronorte/Divulgação)Torneio de Pesca no Lago de Samuel será realizado neste final de semana (Foto: Eletrobrás Eletronorte/Divulgação)

Turismo e solidariedade       
O evento tem a intenção de incentivar o turismo local, com divulgação da beleza do lago (que tem 140 km² extensão), além de estimular a educação ambiental e promover o lazer para famílias que apreciam o esporte. O torneio incentiva ainda a ação solidária entre os integrantes, já que todo o pescado e alimentos não perecíveis entregues pelos integrantes das equipes no ato da inscrição serão destinados às instituições filantrópicas cadastradas pela Associação dos Pescadores Amadores de Rondônia (Sopescar), responsável pela ação. 
- Já está tudo pronto para a décima edição do Topas. Nós já estamos trabalhando há alguns meses para receber as equipes participantes e visitantes para este final de semana e, no sábado, os portões da usina estarão liberados a partir da 14h para quem quiser acampar e participar do luau. O Topas é um dos projetos de turismo mais respeitados do estado - frisou o colaborador Luís Antônio Duarte, da área de meio ambiente da UHE Samuel. 
Torneio de Pesca no Lago de Samuel  (Foto: Eletrobrás Eletronorte/Divulgação)
Vários pescadores participam do torneio de pesca no lago da usina (Foto: Eletrobrás Eletronorte/Divulgação)

Prêmios 
Modalidade Piranha
1º lugar: 01 barco de 5,5 metros, carreta e motor 25Hp;
2º lugar: 01 motor de popa 15Hp;
3º lugar: 01 barco de alumínio de 5 metros;
4º lugar: 01 caiaque para pesca;
5º lugar: 01 motor gerador de energia;
6º lugar: 04 barracas para camping;
7º lugar: 04 tendas para camping;
8º lugar: 04 kits vara e molinete;
9º lugar: 04 coletes salva-vidas;
10º lugar: 04 caixas para pesca.
Modalidade Tucunaré 
1º lugar: R$ 1.500,00;
2º lugar: R$ 1.000,00.   
Programação 
Dia 18 de outubro de 2014, sábado</b>
14h - Abertura dos portões;
20h - Reunião dos coordenadores do evento;
22h - Início do luau seguido de forró.   
Dia 19 de outubro de 2014, domingo</b>
7h30 - Inspeção das embarcações;
8h - Palestra educativa e esclarecimentos;
8h30 - Largada das embarcações;
13h - Encerramento;
15h30 - Entrega de prêmios.

Pesquisadora da UEMS transforma garrafas PET em blocos de concreto para a construção civil


Notícias MS - Milhares de garrafas PET vão para o lixo todos os dias, então porque não reutilizá-las na produção de blocos de concretos para a construção civil? Esta foi a ideia, que deu certo, de uma pesquisadora da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).
A acadêmica de Engenharia Ambiental da UEMS, Camila de Carvalho Sousa, desenvolveu esta ideia na pesquisa intitulada “Caracterização física e mecânica de blocos vazados de concreto simples confeccionados com a adição parcial de resíduos plásticos pós-consumo: Classificação”, orientada pelos professores Aguinaldo Lenine Alves e Antônio Aparecido Zanfolim.
A motivação do trabalho veio porque no Brasil estima-se a geração de 0,5 a 1,0 kg/hab/dia de lixo e a indústria de embalagens está amplamente associada à crescente geração destes resíduos. Além de que, no País, a maioria dos fabricantes de refrigerantes utiliza embalagens descartáveis, sendo, 80,2% embalagens PET, indicando um consumo anual de aproximadamente 250 bilhões de unidades; deste total, cerca de 4,7 bilhões de unidades são lançadas indiscriminadamente no meio ambiente.
Para a produção dos blocos de concreto 15% da quantidade de areia foi substituída por garrafas pets usadas, que depois de moídas se tornaram pó. As garrafas utilizadas para o trabalho foram obtidas de pontos de coletas, antes de serem encaminhadas ao aterro sanitário de Dourados.
Como resultado os blocos de concretos ficaram mais resistentes à compressão e os resíduos plásticos proporcionaram o preenchimento dos poros existentes. Com isso o produto final teve uma melhor compactação, ficou menos permeável, mais resistente a impactos devido ao aumento significativo da resistência à compressão, classificando-o como Classe C, com função estrutural, para uso em elementos de alvenaria acima do nível do solo.
Segundo a acadêmica, no decorrer deste estudo, constatou-se que, para se produzir 15 blocos de concreto com a adição de resíduos plásticos moídos em substituição a 15%  de  areia necessita-se de aproximadamente 80 garrafas plásticas de dois litros. Com isto, conclui-se que na execução do projeto de uma casa popular, de 42m², serão necessárias 8.187 unidades de garrafas PET.
“Isto representa um grande benefício econômico e ecológico, já que, neste caso, proporcionariam o aumento da vida útil de aterros sanitários, a diminuição da poluição de terrenos e locais públicos e, principalmente, a retirada de área dos leitos dos rios seria atenuada. Por ser simples e de fácil padronização, a reutilização das garrafas PET não agrega alto valor às indústrias do setor. Assim sendo, uma opção inovadora, uma alternativa ecologicamente correta, capaz de suprir as necessidades do setor da construção civil em conjunto com o desenvolvimento sustentável”, ressaltou.
A pesquisadora termina enfatizando que é necessária a introdução de políticas públicas, incentivos privados e parcerias com as indústrias de bebidas e produtoras de plásticos, visando ao gerenciamento das garrafas PET descartadas, facilitando, assim, o reuso delas.